Domingo, Agosto 1, 2021
No menu items!
spot_imgspot_img
InicioDestaquesApresentado o programa religioso da festa de Nossa Senhora de Antime

Apresentado o programa religioso da festa de Nossa Senhora de Antime

Não haverá a tradicional procissão, mas a imagem visitará a cidade, transportada num camião aberto, e estará exposta à veneração dos fiéis.

Foi apresentado, esta quarta-feira, o programa religioso da festa em honra de Nossa Senhora de Antime, que será celebrada de 5 a 14 de julho, pelo segundo ano consecutivo condicionada pela pandemia da covid-19.

À semelhança do ano passado, não haverá a tradicional procissão, mas a imagem visitará a cidade e estará exposta à veneração dos fiéis — na Igreja de Antime, de 5 a 11 de julho, entre as 18h e as 22h; e na Igreja Nova de S. José, de dia 12 a 14 de julho.

Na conferência de imprensa promovida esta manhã, o pároco de Antime, Alfredo Saleiro, começou por lembrar que em tempo de pandemia a Igreja é também responsável pela saúde dos peregrinos que possam vir celebrar a sua devoção em honra de Nossa Senhora de Antime. Assim sendo, avançou que o programa procura “ir de encontro às expectativas das pessoas, mas sempre condicionados pela pandemia”.

“Estamos limitados, não podemos expressar exteriormente a nossa fé como habitualmente, mas queremos que a festa não deixe de ser festa. Até pode ser uma maneira de vivermos interiormente melhor a nossa devoção e fé para com Nossa Senhora de Antime”, afirmou. 

O Arcipreste de Fafe, José António Carneiro, reforçou que o programa procura conjugar “a dignidade e a beleza que a celebração em honra de Nossa Senhora de Antime tem de ter e manter, com a segurança que é decisiva em tempo de pandemia”.

“Seríamos indignos com Nossa Senhora e da sua devoção se não velássemos e se não cuidássemos da saúde física dos peregrinos”, acentuou, referindo que as celebrações seguirão as regras e condicionalismos já em vigor nas igrejas.

De 5 a 9 de julho, segunda a sexta-feira, haverá missa diária, na Igreja de Antime, às 19h00, com pregação a cargo do diácono Artur Ribeiro. “É com a prata que é ouro da nossa casa e da nossa terra que nos vamos preparar espiritualmente para viver esta festa”, sublinhou o arcipreste.

No sábado, dia 10, pelas 20h00, haverá a Adoração ao Santíssimo, com transmissão em direto na Fafe TV.

No domingo, dia 11, o “grande dia festivo”, a missa solene na Igreja de Antime será pelas 9h00, presidida por D. Jorge Ortiga e solenizada pelo Coral de Santa Maria de Antime.

Após a eucaristia, a imagem de Nossa Senhora de Antime estará exposta à veneração pública dos fiéis até às 19h00, altura em que será levada da Igreja de Antime para a Igreja Nova de S. José.

“O ano passado optamos por, conscientemente e responsavelmente, não comunicar a hora a que íamos fazer esse transporte, com o receio legítimo de haver uma grande concentração de pessoas, que queríamos e queremos também este ano evitar”, anotou o padre José António Carneiro.

Lembrando que o cenário da pandemia “sendo ainda grave não é o mesmo do ano passado”, apelou à “consciência e responsabilidade das pessoas”, que neste percurso queiram acompanhar o transporte da imagem que, garantiu, será feito de forma “digna e segura”.

“O transporte de uma relíquia não se pode fazer de qualquer maneira”

A propósito, e tendo em conta as críticas feitas o ano passado, avançou que o transporte da imagem será feito de forma “muito similar, ainda que com uma envolvência diferente”, já que será num camião aberto e não fechado.

“As pessoas têm de reconhecer as características próprias desta imagem para perceber aquilo que se pode e não se pode fazer com ela. A imagem é uma relíquia, que tem séculos de existência e é motivo do nosso fervor. Não velar pela imagem de Nossa Senhora de Antime seria um pecado muito grave, uma irresponsabilidade muito grande. O transporte de uma relíquia não se pode fazer de qualquer maneira. As condições de transporte têm de dar garantia que a imagem não vai ser destruída”, frisou. 

O arcipreste lembrou que esta é uma imagem única, “muito pesada, frágil, feita de uma conjugação de pedra e madeira e tudo isto requer delicadeza” e garantia de estabilidade da imagem que é levada na charola. A viatura irá então em marcha lenta, sem paragens, e pelo caminho mais direto, com os pegadores muito próximo da imagem para garantir que esta não sofre nenhum tipo de dano.

Ao programa religioso juntam-se dois momentos culturais: um concerto de música pela Academia de Música José Atalaya transmitido online, no sábado, pelas 21h30; e ainda uma conversa sobre as Festas de Nossa Senhora de Antime, com o foco na sua dimensão histórica, pelo historiador Artur Coimbra, no dia 13, pelas 21h30, na Igreja Nova de S. José, online e presencial.

Por fim, foi lançado o convite aos fiéis para que adornem as suas janelas ou varandas, dando um sinal exterior de que estamos em tempo de festa.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Jornal em PDF

Redes Sociais

9,901FansCurti
0SeguidoresSeguir
54SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever
- Anúncio -
Anuncio

Artigos Recentes