Sábado, Setembro 23, 2023
No menu items!
- Anúncio - spot_imgspot_img
spot_img
InícioOpiniãoOs eleitores

Os eleitores

Opinião de José Ribeiro.

Eleitores são todos os cidadãos com mais de 17 anos e com residência em território nacional.

O recenseamento é hoje automático ou seja, atingidos os 18 anos qualquer cidadão fica automaticamente inscrito nos cadernos eleitorais da circunscrição de residência declarada que, sabemos, nem sempre corresponde à efetiva residência.

Deste modo, ninguém precisa de se preocupar com o seu recenseamento, pois ao fazer ou alterar o seu cartão de cidadão imediatamente fica inscrito. Deve, isso sim, nos períodos que antecedem eleições, confirmar que tal inscrição existe e é correta ou, se não for, reclamar para que seja corrigida. Como se sabe, tal pode fazer-se pelo telemóvel, através de uma mensagem gratuita para a CNE. Para tirar qualquer dúvida, qualquer eleitor pode ir ao site www.recenseamento.mai.gov.pt ou por sms enviando mensagem (gratuita) para o nº3838 escrevendo RE( espaço) nºBI/CC( espaço) data de nascimento (aaaammdd) ou ainda dirigindo-se à sua junta de freguesia.

Este é um avanço relativamente aos anos passados em que, cada pessoa, ao completar 18 anos, tinha que fazer a sua inscrição, recensear-se na sua junta de freguesia ou sempre que mudasse de residência proceder à sua transferência. Obviamente que hoje temos que proceder à alteração de residência obrigatoriamente e automaticamente opera-se essa transferência, sob pena de incómodos ou mesmo da aplicação de coimas, se não o fizermos.

O eleitor/cidadão é, assim, através do seu voto, o alimento, o coração que faz bater a democracia, fazendo esta mais branda ou mais forte segundo participa mais ou menos.

De tempo a tempo vem a público a discussão sobre se se deve ou não obrigar-se a votar ou até se o voto deve conceder-se já a partir dos 16 anos, dada a maturidade que os jovens já têm nesta idade. Há países onde tal já acontece, com voto facultativo e obrigatório a partir dos 18, mas creio que a larga maioria não o faz, nem obriga ao voto.

Por mim, há muito defendo o voto obrigatório, com penalidades, e também o voto aos 16 anos!

O nosso estado e a união europeia, predominantemente social, apoiam os cidadãos desde o nascimento à morte, na saúde e na doença, no desemprego e na justiça, por vezes sem carreiras contributivas para a segurança social e, por isso, não será de mais exigir como noutros deveres que nos são impostos, o dever de votar, de participar nas escolhas dos governantes locais ou nacionais, bem como nas propostas e programas que se nos apresentam!

Os eleitores podem eleger e ser eleitos, desde que na posse de todos os seus direitos cívicos e políticos, já que, como sabemos, há pessoas interditas de o fazer, em razão da sua personalidade, doença ou vida privada, designadamente quando insolventes e pelo período legal. Portanto, pode-se ficar impossibilitado, definitiva ou temporiariamente, desses direitos.

Cada eleitor deve procurar a maior e melhor informação, em cada consulta ou eleição, para exercer o seu voto da forma mais informada e esclarecida, pois só assim será mais livre a sua decisão, fazendo prevalecer sempre o interesse geral ao seu interesse pessoal, ou casando ambos, mas buscando sempre o bem comum, o interesse geral da comunidade, local ou nacional!

PARTICIPE SEMPRE!

Opinião de José Ribeiro, presidente da Assembleia Municipal de Fafe e recandidato independente ao cargo.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Jornal em PDF

Redes Sociais

10,000FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
55SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever

Artigos Recentes