Terça-feira, Julho 16, 2024
No menu items!
- Anúncio - spot_imgspot_img
spot_img
InícioDestaquesPJ detém bombeiro suspeito de atear incêndios florestais em Fafe "por vingança"

PJ detém bombeiro suspeito de atear incêndios florestais em Fafe “por vingança”

Autoridade crê que "seja responsável por dezenas de incêndios lavrados em Fafe nos últimos dois anos, o que fez elevar este concelho para um dos que maior índice de ignições registou".

A Polícia Judiciária (PJ) de Braga deteve, fora de flagrante delito, um bombeiro de 31 anos suspeito de onze crimes de incêndio florestal, entre junho e julho deste ano, em várias freguesias do concelho de Fafe.

Em comunicado, a PJ recorda que durante aquele período de tempo, várias freguesias do concelho de Fafe, designadamente Quinchães, S. Gens e Moreira do Rei, foram sistematicamente atingidas por uma onda simultânea de incêndios florestais, causando alerta entre a população local.

Face ao sucedido, a Polícia Judiciária em colaboração com o Grupo de Trabalho para a Redução de Ignições em Espaço Rural – Zona Norte, realizaram-se diversas ações de investigação, designadamente a análise do perfil do eventual suspeito.

“Das diligências realizadas, resultou a identificação de um indivíduo, de 31 anos de idade, com a profissão de bombeiro, o qual, por vingança, fazendo uso da sua viatura pessoal, por norma após abandonar o serviço ou dias em que se encontrava de folga, procedia a inúmeras ignições em espaço rural e florestal“, refere a PJ, em comunicado.

A autoridade crê que “o arguido seja responsável por dezenas de incêndios lavrados em Fafe nos últimos dois anos, o que fez elevar este concelho para um dos que maior índice de ignições registou”.

“Embora não exista ainda uma estimativa real da área consumida pelos incêndios, cifra-se em vários hectares de floresta, constituída principalmente por eucaliptos e mato. Os vários locais onde os incêndios ocorreram situam-se em zonas com condições de propagação a manchas florestais de grandes dimensões, gerando enorme risco, potencialmente alimentado pela carga combustível ali existente e pela orografia própria da região, o que se traduziu em elevadíssimo perigo concreto para as pessoas, para os seus bens patrimoniais e para o ambiente”, referem ainda.

Segundo a PJ, as “diligências realizadas permitiram a recolha de vasto acervo probatório e levaram à detenção fora de flagrante delito do arguido, o qual será presente à Autoridade Judiciária competente para primeiro interrogatório judicial e aplicação de medidas de coação”.

- Anúncio -spot_img
ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Jornal em PDF

Redes Sociais

10,000FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
55SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever

Artigos Recentes