Segunda-feira, Julho 4, 2022
No menu items!
- Anúncio - spot_img
spot_img
InicioDestaquesViva o Natal!

Viva o Natal! [Contra a eutanásia do Natal]

Mensagem de Natal do Pe. José António Carneiro, Arcipreste de Fafe.

Não é recente a marcha da descristianização na “velha” Europa. As últimas décadas do século XX, sobretudo desde 1968, aceleraram o processo da secularização e a voracidade desse ímpeto não abrandou com o novo milénio. A meu ver, antes pelo contrário.

Os sinais são muitos e a as causas diversas. Não quero, nem interessa aqui, entrar nessa abordagem. Apenas quero anotar, com o espírito da denúncia profética, a indiscutível tentativa ideológica de varrer as raízes cristãs inerentes ao projeto designado União Europeia, ao ponto de se propor a “eutanásia do Natal”.

É verdade, infelizmente! Devo dizer que, entre tantas tentativas ocorridas para esvaziar da relevância dos valores cristãos a sociedade europeia, estaria longe do meu pensamento e (creio eu) de tantas outras pessoas, que viesse a ser possível (imagine-se) pedir a abolição ou eliminação do Natal. E nem que fosse “apenas” a substituição da designação, em nome duma pretensa igualdade ou inclusão que, afinal só traz intolerância, diminuiria o meu estupor.

Passo a enquadrar num instante já que a questão é recente, mas foi amplamente notada na comunicação social e, felizmente, não teve pernas para andar, após um imenso coro de acertadas críticas. Contudo, deve ser notada e não passar despercebida, pois, infelizmente o risco continua, já que a dita proposta, segundo os proponentes, foi retirada para ser trabalhada.

Pode resumir-se assim o episódio a que me refiro: Helena Dalli, Comissária Europeia para a Igualdade, elaborou um documento para nortear as comunicações internas da União Europeia que sugeria, entre outros absurdos, que fosse abolida a palavra “Natal” porque nem todas as religiões celebram essa festividade, dando lugar à designação “períodos de festas” ou “períodos de férias”. Não ficava por aqui o documento chegando mesmo a dizer que os nomes Maria e José eram muito cristãos e pouco internacionais e, como tal, com deficiente representatividade, propondo a sua substituição por “Malika” e “Júlio”.

Ora, depois disto, creio que não podemos baixar a guarda na defesa do Natal! Precisamos de fazer algo para contrapor a esta pretensa cultura que quer “eutanasiar” o Natal a cultura do “gestar” o Natal. Face à cultura da morte e da intolerância face aos valores cristãos precisamos da audácia do testemunho. Sim, nós, os cristãos, temos o dever de, frente à clara tentativa da eliminação do Natal, promover a gestação do Natal, tal como nos sugeriu a caminhada que, ao longo de quatro semanas, nos preparou para celebrar o Nascimento do Menino Jesus.

A nós não nos pode bastar as “boas festas” ou muito menos as “boas férias”. A nós não nos pode bastar nada menos que dizer ao mundo, alto e bom som, talvez agora mais que nunca, que Natal é Jesus, e será sempre Jesus. E que na vida pequenina e pobre nascida num rincão perdido de Belém se encontrou Luz, Salvação e Vida para o mundo inteiro. Sim, o Natal é Vida. Viva o Natal! Santo Natal!


Mensagem de Natal do Pe. José António Carneiro.

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Jornal em PDF

Redes Sociais

10,000FansCurti
0SeguidoresSeguir
53SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever
- Anúncio - spot_img

Artigos Recentes